Com problemas mecânicos no caminhão, Jardim não completa prova de Londrina

Adalberto Jardim A nona corrida do ano da Fórmula Truck não terminou da melhor maneira para o paulista Adalberto Jardim que teve de abandonar faltando 16 voltas para o final com problemas no seu caminhão. O resultado do GP Petrobras em Londrina consolidou o título da MAN Latin America no campeonato de marcas da categoria. A montadora chegou a 418 pontos na tabela de classificação, 116 à frente da Mercedes-Benz, já confirmada como vice-campeã.

O campeonato de marcas foi instituído na Fórmula Truck em 2004. Com o título conquistado neste domingo, a MAN chega a cinco e volta à liderança do ranking – os outros quatro foram conquistados pela Volkswagen em 2007 e de 2009 a 2011. A Mercedes-Benz conquistou os títulos de 2006, 2008, 2012 e 2013. Ford, campeã de 2004, Scania, dona da taça em 2005, e Iveco, que ficou com o título do ano passado, completam a galeria de campeãs.

MAN Latin America

A CORRIDA

Dada a largada, enquanto o pole Felipe Giaffone mantinha-se à frente, Roberval Andrade, terceiro no grid, emparelhou seu caminhão com o de Beto Monteiro, que largou em segundo e manteve sua posição. Paulo Salustiano, largando do fim do grid, enfrentou problemas e bateu logo depois da curva do Estádio, ocasionando a primeira intervenção do Pace Truck na corrida, que a partir disso teve quatro voltas cumpridas sob bandeira amarela.

Leandro Totti, líder do campeonato e 13º no grid, já figurava em oitavo no momento da primeira neutralização. A relargada foi autorizada após cerca de dez minutos de neutralização. Na segunda volta válida, Totti superou André Marques e Diogo Pachenki para assumir a sexta posição. Wellington Cirino já havia tomado, na terceira volta, a terceira posição de Andrade, que passou a ser pressionado por Geraldo Piquet, Totti e Pachenki.

Adalberto Jardim

A abertura da quarta volta foi marcada pela ultrapassagem de Totti sobre Piquet. Na reta oposta do circuito, o piloto londrinense superou Andrade para ser quarto – estava quase três segundos atrás de Cirino. O líder Giaffone tinha dois segundos de vantagem sobre Monteiro e mais de segundo segundos de dianteira em relação a Cirino. Totti usou a sexta volta da prova para baixar de dois segundos sua desvantagem em relação a Cirino.

Cirino acabou perdendo tempo na sétima volta e permitiu, com isso, que Totti se aproximasse e lhe tomasse o terceiro lugar na corrida, que chegou ao primeiro terço, instante em que há a intervenção programada do Pace Truck e a neutralização para arrefecimento dos sistemas dos caminhões. A essa altura os cinco primeiros eram Giaffone, Monteiro, Totti, Cirino e Andrade, que assim receberam pontos de bonificação na classificação do campeonato.

Dada a relargada, Monteiro resistiu às insistentes tentativas de Totti de assumir a vice-liderança e, em uma única volta, Giaffone abriu mais de dois segundos de vantagem. O líder ampliou essa margem a mais de três segundos até a 13ª volta, quando Monteiro enfrentou problemas elétricos em seu Iveco e tomou o caminho dos boxes para abandonar. Totti, ao mesmo tempo em que assumiu o segundo lugar, reduziu a vantagem de Giaffone a 2s854.

A diferença passou a cair volta a volta. Era de 2s238 ao fim da 14ª volta, de 1s601 na 15ª, de 1s274 na 16ª e de 0s638 na 17ª, quando Totti passou a pressionar diretamente o companheiro de equipe na disputa pela liderança do GP Petrobras. A primeira tentativa de ultrapassagem veio ao fim da reta oposta e chegou a haver um leve toque entre os dois pilotos enquanto Totti contornava a curva do Bacião pelo lado externo do traçado.

Giaffone manteve-se à frente aplicando em sua defesa de posição uma pilotagem combativa – a ultrapassagem de Totti seria suficiente para definir o título por antecipação. Totti conseguiu a ultrapassagem na reta oposta na 22ª volta. Sua velocidade o fez exceder o limite de 160 km/h ao radar limitador. Depois de perder o ponto de frenagem ao fim da reta oposta, informado da infração pela equipe, cumpriu imediatamente o drive-thru como punição.

Totti voltou dos boxes em quarto lugar, a 17 segundos de Giaffone – à sua frente estavam, também, Cirino e Andrade, em segundo e terceiro. Na 24ª volta foi Cirino quem passou a atacar a liderança de Giaffone, reduzindo sua desvantagem a 1s102 – nas voltas seguintes, a diferença caiu a 0s945 e a 0s704. Totti superou Andrade e recuperou a terceira posição, já estando mais de 15 segundos atrás do duelo que valia a liderança.

GP PETROBRAS – CLASSIFICAÇÃO FINAL
(Resultado da corrida em Londrina após 28 voltas)
1º) Felipe Giaffone (SP/MAN), RM Competições, 1h00min24s844
2º) Wellington Cirino (PR/Mercedes-Benz), ABF-Santos Desenvolvimento, a 0s915
3º) Leandro Totti (PR/Volkswagen), RM Competições, a 20s952
4º) Roberval Andrade (SP/Scania), Ticket Car-Corinthians Motorsport, a 22s117
5º) Geraldo Piquet (DF/Mercedes-Benz), ABF-Santos Desenvolvimento, a 31s521
6º) André Marques (SP/Volkswagen), RM Competições, a 33s878
7º) Diogo Pachenki (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 35s949
8º) Jansen Bueno (PR/Scania), Muffatão, a 38s841
9º) Gustavo Magnabosco (SC/Volvo), ABF Motorsport, a 46s131
10º) David Muffato (PR/Ford), DF Racing Fans, a 49s656
11º) Leandro Reis (GO/Ford), Original Reis Competições, a 50s019
12º) Danilo Dirani (SP/Scania), Ticket Car-Corinthians Motorsport, a 50s999
13º) Raijan Mascarello (MT/Ford), DF Racing Fans, a 1min06s582
14º) Marcello Cesquim (PR/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 1min08s233
15º) Jaidson Zini (SP/Iveco), Dakarmotors, a 1min09s072
16º) Valmir Benavides (PR/Iveco), Scuderia Iveco, a 1min20s092
17º) Débora Rodrigues (SP/Volkswagen), RM Competições, a 2 voltas
18º) Fabiano Brito (PR/Scania), Falsi & Falsi Racing Team, a 2 voltas
19º) Luiz Lopes (SP/Iveco), Lucar Motorsports, a 5 voltas
NÃO COMPLETARAM
Pedro Muffato (PR/Scania), Muffatão, a 8 voltas
João Marcos Maistro (PR/Volvo), Copacol Clay Truck Racing, a 14 voltas
Beto Monteiro (PE/Iveco), Scuderia Iveco, a 16 voltas
Adalberto Jardim (SP/Volkswagen), RM Competições, a 16 voltas
Djalma Fogaça (SP/Ford), DF Racing Fans, a 17 voltas
José Maria Reis (GO/Ford), Original Reis Competições, a 20 voltas
Paulo Salustiano (SP/Mercedes-Benz), ABF Racing Team, a 28 voltas
Melhor volta: Giaffone, na 3ª, 1min37s443, média de 116,191 km/h

CLASSIFICAÇÃO
A uma etapa do fim, a classificação da F-Truck é: 1º) Totti, 203 pontos; 2º) Giaffone, 181; 3º) Cirino, 142; 4º) Andrade, 108; 5º) Piquet, 95; 6º) Marques, 82; 7º) Salustiano, 73; 8º) Monteiro, 64; 9º) Dirani, 55; 10º) Jardim, 49; 11º) Cesquim, 46; 12º) Pachenki, 34; 13º) Bueno, 29; 1º) Benavides, 28; 15º) Mascarello, 19; 16º) Rodrigues, 18; 17º) Magnabosco, 16; 18º) Fogaça e Maistro, 14; 20º) Lopes e D. Muffato, 12; 22º) Kastropil e L. Reis, 11; 24º) P. Muffato, 8; 25º) de Jesus, 7; 26º) Zini, 3.
No campeonato das marcas, a pontuação a uma etapa do fim é esta: 1º) MAN, 418; 2º) Mercedes-Benz, 302; 3º) Scania, 181; 4º) Iveco, 98; 5º) Volvo, 84; 6º) Ford, 55 .